Sopa de cebola do CEASA

A história foi contada na última edição da Veja São Paulo e mesmo sem entender direito do que se tratava (sim, a matéria estava na revista, mas eu não a leio, então…) fui nessa terça-feira fria conferir qualé-que-é a da tal sopa de cebola do CEASA.

Não tenho muitas referências de sopa de cebola, sempre prefiro as mais consistentes e cremosas, mas a última que tomei foi uma que fiz no meu curso, trabalhosíssima, com cebola caramelizada (não caramelada) lentamente e pacientemente… enfim, uma boa referência! Das clássicas.

Cheguei no portão 3 do CEASA e quase ri (com uma falta feia de simplicidade) do improviso do lugar. Me pareceu algo preparado para serviço de apenas uma noite, como um evento beneficiente, daqueles com mesas de tábua sobre 2 apoios, mesas de plástico e vasinhos de violetas como decoração. No cardápio, uma opção de sopa de mandioquinha também, mas claro, na sopa de cebola do CEASA, eu não tomaria a sopa de mandioquinha.

Compartilhamos uma garrafa de vinho e logo (muito logo!) chegaram as cumbucas bem servidas de sopa, com uma fatia de pão italiana no topo, coberto com queijo e bacon picadinho crocante. Na primeira colherada, minha postura arrogante se derreteu. Sopa gostosa, gente! Daquelas de não conseguir esperar soprar o suficiente para esfriar e queimar um pouco mais a língua a cada colherada.

No decorrer da refeição, você começa a perceber o conceito do negócio… muito simples e óbvio, inclusive: a sopa é o conceito do negócio. Não importa os vasinhos de violeta, o banheiro que não fecha a porta ou o bar de freezer horizontal, as pessoas vão lá pela sopa e saem satisfeitas, garanto.

A empreitada é temporal, acompanhará apenas o inverno. Não percam. E não façam como eu, curtam sem preconceitos desde o princípio.

Comi por aí: CEASA. Av. Dr. Gastão Vidigal, 1946. Portão 3. Vila Leopoldina – São Paulo.

Nat.

Anúncios

7 Respostas para “Sopa de cebola do CEASA

  1. Meu pai fala muito desta sopa.

    Nas noites de frio, na São Paulo de antigamente ela era o point.

    Bom saber que ela voltou. Preciso leva-lo lá. E ele dirá se ela é igual a de antigamente, aí contarei aqui.

  2. Aí que delicia. Depois deste post vou ter que rodar metade da cidade pra tomar esta sopa.

    Ainda mais nesse frio.

  3. Meu pai, que era feirante antigamente e vivia no CEASA, sempre comenta desta sopa também.

    Ele diz que sopa igual essa não existe.

    Este poste me incentivou a convence-lo de nos levar lá.

  4. Essa experiência se compara, um pouco, com a do mercadao.

    Não pode se querer luxo, conforto e decoração, mas sim o bom sabor do que ali é feito.

    Realmente a sopa de cebola do Ceasa se supera. Deliciosamente indescritível.

  5. Pois bem… fui até o Ceasa experimentar a famosa sopa.

    A descrição da Natalia é realmente verdadeira, em diversos pontos (decoração, ambiente e sabor delicioso da sopa).

    Como fomos no sábado, pegamos muita fila. Só fomos comer mesmo depois de 1 hora que estávamos lá.

    Achei a cumbuca bem grande, conseguiria dividir com outra pessoa.

    E sim, a sopa de mandioquinha é deliciosa. Talvez tanto ou até mais que a de cebola. Pronto. Falei.

  6. Vale muitoooo a pena experimentar a Sopa de Cebola do Ceasa! É Maravilhosaaaa =) …
    O atendimento é ótimo e a Sopa é um espetáculo!
    Recomendo!!!

  7. Pingback: Receita de sopa de cebola do Ceasa | Comi por aí

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s